Greve dos Caminhoneiros: veja quais entidades aderiram e quais são contra


Caminhoneiros de todo o país iniciaram, nesta segunda-feira, 1º de fevereiro, uma greve por tempo indeterminado. Parte dos caminhoneiros anunciou atos, nesta segunda-feira (1º), mas não há consenso e muitos motoristas já disseram que não vão cruzar os braços. 

As principais entidades à frente da convocação são a CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística), a ANTB (Associação Nacional de Transporte no Brasil), e o CNTRC (Conselho Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas).

Outras entidades são contra a manifestação, inclusive algumas que participaram da greve de 2018, como a CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos) e a Abrava (Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Autônomos).

Quem aderiu à greve dos caminhoneiros?

  • Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas – CNTRC
  • Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística – CNTTL
  • Sindicato dos Transportadores Autônomos de Cargas de Guarulhos - SINDITAC GRU
  • Associação Portuária dos Transportadores de Cargas do Brasil – ASPORTC
  • Associação de Motoristas Autônomos do Brasil – AMAB
  • Cooperativa dos Caminhoneiros Autônomos de Barra Mansa - COOPERTRINTA
  • Associação dos Caminhoneiros Autônomos do Sul Fluminense – ACASULF
  • Sindicato dos Transportadores Autônomos de Cargas de São José dos Pinhais – SINDITAC SJP
  • Sindicato dos Transportadores Autônomos de Cargas de Jundiaí e Região - SINDICAM Jundiaí
  • Sindicato dos Transportadores Autônomos de Cargas de Rio Grande e Região – SINDICAM RIO GRANDE
  • Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro - SINDPETRO-RJ
  • Federação Nacional dos Petroleiros – FNP
  • Associação Nacional de transporte do Brasil – ANTB
  • Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aquaviários e Aéreos, na Pesca e nos Portos – CONTTMAF


Entidades que ficaram contrárias à greve dos caminhoneiros


  • A CNT (Confederação Nacional do Transporte), representante de empresas do setor, afirmou que não apoia nenhum tipo de paralisação, em nota assinada pelo presidente Vander Costa. Confira, na íntegra:
    "A CNT (Confederação Nacional do Transporte), por intermédio do seu presidente, Vander Costa, vem a público informar que não apoia nenhum tipo de paralisação de caminhoneiros e reafirma o compromisso do setor transportador com a sociedade. 
    Se houver algum movimento dessa natureza, as transportadoras garantem o abastecimento do país, desde que seja garantida a segurança nas rodovias."
  • A CNTA, que participou da greve de 2018, também disse que não participará do movimento deste ano.
  • O presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, conhecido como Chorão, afirmou que não vai aderir à greve dos caminhoneiros