Servidores públicos pernambucanos são capacitados para combate à corrupção


Pernambuco será o primeiro estado a integrar o Programa de Fortalecimento das Polícias Judiciárias, do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Desta segunda-feira (20) até sexta-feira (24), 32 servidores públicos pernambucanos, com atuação no combate à corrupção, estarão reunidos com profissionais das polícias Federal e Civil de outros estados que participaram de operações como a Lava-Jato, Mensalão, Esquema PC Farias, Carne Fraca e Banestado.

A palestra inaugural de uma série de capacitações e troca de experiência, com o tema geral “Corrupção Sistêmica e Delinquência Institucionalizada”, será dada pelo secretário nacional de Segurança Pública, general Guilherme Theophilo, às 10h30 desta segunda-feira, na Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado (Seplag), na Rua da Aurora. No penúltimo dia do evento, na quinta-feira (23), pela manhã, está prevista a participação do ministro Sérgio Moro, proferindo a aula Combate ao Crime Organizado e Corrupção Sistêmica.

Participam das capacitações 27 policiais do Draco, entre delegados e agentes, três servidores da Controladoria Geral do Estado e um representante do Ministério Público de Contas e outro do Ministério Público de Pernambuco. Entre os palestrantes, estão os delegados federais Jorge Pontes e Márcio Anselmo (Lava-Jato), autores do livro recém-lançado “Crime.Org”, Paulo Lacerda, ex-diretor-geral da PF, Maurício Moscardi Grillo (Carne Fraca), Luís Flávio Zampronha (Mensalão) e Cleyber Malta Lopes, que indiciou o ex-presidente Michel Temer no Inquérito dos Portos.

“Pernambuco está sendo o primeiro estado a receber essa capacitação porque foi pioneiro na estruturação de um Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco), seguindo as diretrizes da lei 12.850/2013) e trazendo a expertise da Polícia Federal para a nossa atuação contra quadrilhas que se infiltram na administração pública e subtraem recursos destinados à prestação de serviços para a população. Com menos de cinco meses de atuação, o Draco já desencadeou 10 operações, desarticulando quadrilhas responsáveis por um prejuízo estimado de R$ 254 milhões ao erário, além de 38 prisões e 67 mandados de busca e apreensão”, calcula o secretário de Defesa Social, Antonio de Pádua.



FONTE: DIÁRIO PE