quarta-feira, 3 de abril de 2019

Para conselheiro nomeado por Moro, mulher tem tara sexual por policiais

Procurados, por meio da assessoria do Ministério da Justiça, Moro e Damázio ainda não se pronunciaram

O ministro da Justiça, Sergio Moro, empossou no Ministério da Justiça um conselheiro que, em entrevistas à imprensa, associou a homossexualidade a "desvio de conduta" e afirmou que, para a mulher, é o máximo "estar dando para um policial".

As declarações foram dadas pelo delegado federal aposentado e ex-diretor do Sistema Penitenciário Federal Wilson Salles Damázio, que assumiu na semana passada vaga no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP).

Entre outras funções, cabe a ele inspecionar prisões em estados do Nordeste e do Norte.

O cargo de conselheiro é o mesmo oferecido em fevereiro à especialista em segurança pública Ilona Szabó de Carvalho. Moro revogou a nomeação dela por pressão de Bolsonaro e uma onda de críticas de apoiadores do presidente.

Nas redes sociais, militantes passaram a atacar o ministro ao apontar que as posições de Szabó são divergentes em relação ao governo em temas como armamento e política de drogas. Também criticaram o fato de que ela, que é colunista da Folha, se posicionou contra a candidatura de Bolsonaro durante as eleições.

Em entrevista concedida ao Jornal do Commercio em 2013, quando era secretário de Defesa Social de Pernambuco, Damázio foi perguntado sobre casos de exploração sexual de meninas por policiais.

Ele relatou um episódio de abuso, supostamente cometido por agentes da polícia local, e concluiu: "Desvio de conduta a gente tem em todo lugar. Tem na casa da gente, tem um irmão que é homossexual, tem outro que é ladrão, entendeu?"

O então secretário disse que, em seu entendimento, "homossexualidade não quer dizer bandidagem". "Mas foge ao padrão de comportamento da família brasileira tradicional. Então, em todo lugar tem alguma coisa errada, e a polícia, né? A linha em que a polícia anda, ela é muito tênue, não é?"

Na ocasião, Damázio também foi questionado sobre a possibilidade de instalar câmeras em viaturas, uma vez que policiais as usariam para praticar sexo. Ele explicou que haveria problemas com "associações" e opinou que as mulheres, às vezes, "se acham" porque estão com policial.

"O policial exerce um fascínio no dito sexo frágil. Eu não sei por que é que mulher gosta tanto de farda", declarou.

Para Damázio, segundo a entrevista publicada pelo Jornal do Commercio, "todo policial militar mais antigo tem duas famílias, tem uma amante, duas". Ele falou sobre o suposto magnetismo exercido pela categoria em mulheres.

"É um negócio. Eu sou policial federal, feio pra c. A gente ia pra Floresta (Sertão), para esses lugares. Quando chegávamos lá, colocávamos o colete, as meninas ficavam tudo sassaricadas. Às vezes tinham namorado, às vezes eram mulheres casadas. Pra ela é o máximo estar dando pra um policial. Dentro da viatura, então, o fetiche vai lá em cima, é coisa de doido."

As declarações, à época, geraram reação de entidades feministas e ligadas à defesa dos direitos humanos. Como consequência, o então secretário entregou o cargo.

Procurados, por meio da assessoria do Ministério da Justiça, Moro e Damázio ainda não se pronunciaram.



FONTE: FOLHA PE