André Ferreira e Túlio Gadêlha se cacifam para disputar Prefeitura do Recife

Apesar de negarem, deputados ganham espaços que os colocam em evidência, dando mais visibilidade para as eleições à PCR em 2020

As eleições municipais só ocorrem daqui a mais de um ano, no entanto, os nomes para a disputa já começam a se desenhar. Em seu primeiro mandato, o deputado federal André Ferreira foi eleito, ontem, líder do PSC na Câmara Federal e a função fortalece o seu nome para a corrida à Prefeitura do Recife. Mas, ele não é o único cotado para a PCR. O também deputado federal Túlio Gadêlha aparece como opção do PDT para o posto, hoje, ocupado por Geraldo Julio (PSB), mas esbarra no apoio do grupo dos Queiroz ao PSB.

No comando da bancada social-cristã - que possui nove deputados, André Ferreira terá assento no colégio de líderes que, entre outras atribuições, define a pauta dos projetos que vão ao plenário. Ele também poderá indicar os integrantes do partido nas comissões, bem como terá direito de usar a palavra no plenário da Casa, entre outros direitos.

No último pleito, em 2018, André Ferreira conquistou mais de 175 mil votos, figurando como o terceiro deputado federal mais votado de Pernambuco. Para o vereador Renato Antunes (PSC) a liderança "é um quadro importante dentro do PSC nacional. A gente sai do âmbito local bem avaliado. André assume um protagonismo que o gabarita, sim, para futuras intenções". Entretanto, Antunes despista: "Eu tenho discutido e conversado com o deputado e não é esse o foco (2020). Ele está preocupado com o seu mandato, em discutir pautas e projetos para Pernambuco, para ajudar os municípios". A reportagem entrou em contato com André Ferreira, mas ele não retornou.

Além de Ferreira, o nome de Túlio Gadêlha, do PDT, também é ventilado. Isso porque o presidente nacional do partido, Carlos Lupi, confirmou à coluna Folha Política que a candidatura de Túlio só depende “do andar desse processo e de ele mesmo querer”. Porém, o parlamentar, sem descartar, desconversou ao ser questionado sobre essa possibilidade e afirmou, à reportagem, que “fica feliz” com a confiança do partido, mas que este “não é o momento para discutir questões municipais” e acrescentou que “precisa” trabalhar no Congresso. Ele foi eleito com mais de 75 mil votos. Vale lembrar que, em Pernambuco, o PDT é aliado do PSB - partido do prefeito Geraldo Julio.

Sobre a possível candidatura de Túlio Gadêlha, o deputado estadual Zé Queiroz (PDT) disse que “qualquer filiado pode votar e ser votado”, mas que “com tanta antecedência” não se pode quem será escolhido. De acordo com ele, a sigla ainda não tem candidato para a eleição no Recife e a afirmação de Lupi é baseada no estatuto do partido. “Como presidente, Lupi tem repetido o que Brizola já falava: em cidades acima de 200 mil habitantes e capitais, sempre que o partido puder lançar uma candidatura lançará. Então, quando ele fala que vai ter candidato é exatamente dentro da filosofia do que o estatuto estabelece. O partido só não coloca quando não tem um nome competitivo que possa entrar no jogo”, explicou.

Lembrando a deputada federal Marília Arraes (PT) que foi rifada da disputa pelo Governo do Estado pelo seu partido - após aliança com o PSB do governador Paulo Câmara - Zé Queiroz acrescentou que “as circunstâncias, o protagonismo e as condições partidárias só serão definidas quando estiver “em cima” da eleição. “Marília era candidata até cinco dias antes e saiu do jogo. Do mesmo jeito que a pessoa pode entrar faltando pouco tempo. Logo, não tem nada definido de candidatura para 2020”, finalizou.




FONTE: FOLHA PE