Médico é preso em flagrante ao tentar matar mulher grávida de 7 meses


O médico Luis Claudio Pitanca Alcântara, de 38 anos, foi preso na madrugada desta quinta-feira (17) por tentativa de feminícidio, após ser flagrado agredindo sua mulher, também médica, grávida de 7 meses, em Sorocaba, interior de São Paulo. O homem chegou a empunhar uma faca para atacar a mulher. A vítima, Karen Lilian Moraes Figueiredo de Mendonça, de 37 anos, foi salva pela chegada dos policiais, acionados por vizinhos. Já na delegacia da Polícia Civil, ele voltou a ameaçar a mulher, dizendo que "a perseguiria até o inferno", caso fosse preso. Em audiência de custódia, no Fórum de Sorocaba, o juiz decretou a prisão preventiva do agressor.

De acordo com o registro na Polícia Civil, após serem acionados por vizinhos, os policiais foram à residência do casal, no bairro Santa Rosália, e ouviram os gritos da mulher. Eles tocaram a campainha e foram atendidos pelo médico, que disse que não estava acontecendo nada. A vítima, no entanto, gritou que estava sendo agredida. Os policiais precisaram pedir reforços para entrar na casa.

Conforme o relato da médica, fazia mais de uma hora que ela era agredida e ameaçada de morte pelo marido. Alcântara se enfureceu quando estavam juntos no quarto e partiu para cima dela, aplicando socos em sua cabeça. Em seguida, tentou sufocá-la, apertando seu pescoço com as duas mãos. A vítima o arranhou e conseguiu se desvencilhar, mas ele a jogou ao chão com a barriga - em gravidez de sete meses - prensada contra o solo.

Em seguida ele montou sobre ela e aplicou uma chave de braço, gritando que iria fazê-la perder o filho. A mulher conseguiu mordê-lo para que a soltasse. Ainda segundo a médica, o marido pegou uma faca e disse que iria matá-la. Foi quando os policiais acionaram a campainha da casa. Conforme a médica, ele dizia que bateria nela até que perdesse o filho, "pois assim ela sairia da vida dele".

Alcântara foi indiciado por tentativa de feminicídio, lesão corporal e ameaça. Os policiais relataram que, mesmo na presença deles, o médico reiterou as ameaças, dizendo à vítima que "a perseguiria até o inferno, caso ela o fizesse ser preso". A faca foi apreendida e passará por perícia. O agressor tinha passagens por injúria e danos, mas não havia queixa anterior da vítima contra ele.

A médica foi informada de que pode requerer medida protetiva contra o marido. Ela recebeu atendimento médico e passa bem, assim como o bebê. O agressor e a vítima são clínicos gerais e atuam como plantonistas em unidades de saúde da região de Sorocaba e da Grande São Paulo. Procurada, Karen informou que já havia dado todas as informações à polícia. Alcântara foi acompanhado por um defensor público na audiência de custódia. Ele informou que não se manifestaria, pois o médico deve constituir um advogado de defesa.



FONTE: DIÁRIO PE