Marília vê decisão "antidemocrática" do PT

"Sou contra qualquer discussão tomada arbitrariamente"

Segunda deputada federal mais votada do Estado, Marília Arraes segue na oposição ao governo Paulo Câmara ainda que o PT esteja ocupando espaços na gestão socialista. "A gente termina passando a impressão de que é todo mundo farinha do mesmo saco, e não é", argumenta a petista em entrevista à coluna digital No Cafezinho que vai ao ar, hoje, no portal da Folha de Pernambuco. 

Segundo ela, a base do PT, os militantes e até muitos dirigentes estão muito insatisfeitos com a forma como se deram as indicações do partido para a administração estadual. Na cota do PT, estão a secretária de Desenvolvimento Agrário, que engloba Órgãos como o IPA. Cogita-se abertura de outro espaço para o partido na gestão Geraldo Julio. Sobre a possibilidade de o PT indicar nome para a pasta de Saneamento na Prefeitura do Recife, Marília devolve: "Não é questão de ser contra ou não. Eu sou contra qualquer discussão tomada arbitrariamente, principalmente num partido que sempre teve como marca a democracia interna". Marília prossegue: "A composição do governo, do espaço por parte do PT foi tomada de maneira antidemocrática. 

A maioria do partido não apoiou e não foi ouvida do mesmo jeito que não está sendo ouvida em relação à composição da prefeitura. Então, talvez seja difícil para o cidadão comum entender". Marília reforça: "A gente queria esse debate. Se a maioria do partido definisse a forma, ou se ia ocupar espaço no Governo do Estado, aí, sim, a gente teria que respeitar. Mas não ouve esse tipo de debate". A crítica dela é a mesma já feita pela deputada estadual Teresa Leitão, que também sentiu a ausência do debate interno.

Romário versus Uchoa Júnior
Nas coxias, a possibilidade já era dada como certa. Agora é real. O PSC vai indicar o deputado estadual eleito Guilherme Uchoa Junior para concorrer à segunda vice-presidência da Assembleia Legislativa e, nesse caso, o deputado Romário Dias, do PSD, vai bater chapa com ele.

Vai ter >À coluna, Romário confirma o que já circulava: "Eu vou disputar". Decano na Casa, já foi presidente, 2º secretário, 3º secretário, 4º secretário... Só não foi 1º secretário.

Deram... > Alguns deputados procuraram Romário Dias hipotecando-lhe apoio. Defendendo que ele concorra à vaga. Resultado: ele não vai deixar de ser candidato.

...corda > Coincidência ou não, alguns parlamentares passaram pela casa de Romário, em Serrambi, no final de semana. Entre eles, o presidente da Casa, Eriberto Medeiros, e Clodoaldo Magalhães.

Contras > O PSC formalizou o apoio a Uchoa Junior, mas o nome não é consenso na sigla. Nos corredores da Alepe, há quem aposte que integrantes da legenda votam em Romário.

Suplência >
A outra alternativa era Manoel Ferreira, mas o PSC o escalou para uma suplência, segundo entendimento interno.

Dilema > Segue o debate em relação à liderança da oposição na Alepe. Deputados lembram que, daqui a dois anos, se dará disputa pelo executivo. Lembram da disputa de Petrolina quando falam de Marco Aurélio e do Recife, quando citam Priscila Krause.

Mágoa >A deputada estadual Terezinha Nunes, que se filou ontem ao MDB, externa contrariedade como a forma como os prefeitos do PSDB se posicionaram, em 2018, votando em candidatos de outros partidos. Deixa o tucanato após 15 anos e lamenta que o PSDB-PE tenha passado à condição de “nanico”.



FONTE: FOLHA PE