4G será ampliada com parte da verba dos orelhões

Instalação do sinal de internet veloz em 1.386 localidades que hoje não têm cobertura será a prioridade da Anatel. Empresas de telefonia têm até 2023 para cumprir a meta

Com cada vez mais pessoas usando o celular para se comunicar, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) alterou o Plano Geral de Metas de Universalização (PGMU) da telefonia brasileira. A instalação do sinal 4G em 1.386 localidades que ainda não contam com internet móvel de alta velocidade passa a ser, então, a principal meta das concessionárias de telefonia fixa. Essa tarefa, no entanto, será realizada com parte da verba destinada à manutenção de orelhões. Por isso, a rede de telefones públicos deve ficar 75% menor nas cidades brasileiras.

Gerente de universalização da Anatel, Eduardo Jacomassi explicou que as concessionárias têm metas de apoio à universalização da telefonia no Brasil. Essa meta, porém, ficava restrita à oferta de orelhões. E, como hoje esse meio de comunicação já não é tão usado, a Anateldecidiu atualizar o sistema de metas para ampliar o serviço mais desejado pelos brasileiros: a internet móvel. “É uma forma de usar os recursos destinados aos telefones públicos, que vêm sendo pouco utilizados, para atender a demanda da população”, explicou Jacomassi.

Estudo realizado pela Anatel justifica que 42% dos orelhões brasileiros não realizam nenhuma chamada por dia, mesmo oferecendo ligações gratuitas. Já o número de acessos 4G segue crescendo: eram 44,7% dos acessos móveisdo Brasil em janeiro de 2018, mas já saltaram para 53,9% desses acessos em outubro do mesmo ano.

“Cerca de 4,1 mil municípios têm 4G. Mas o Ministério da Ciência e Tecnologia já mapeou 1,4 mil localidades que não têm acesso a essa tecnologia. Por isso, o ministério determinou que a construção de torres para prestação do serviço sem fio fosse a nova obrigação das concessionárias”, afirmou Jacomassi, contando que 63 dessas localidades estão em Pernambuco.

São regiões de cidades como Aliança, Bonito, Caruaru, Igarassu, Palmares, Petrolina e Salgueiro que deverão receber o sinal 4G da Oi, que é a concessionária de telefonia fixa de Pernambuco. “Os recursos que seriam investidos emorelhões serão destinados à ampliação de serviços essenciais para a sociedade, como a banda larga”, garantiu a Oi, que tem até 2023 para atender todas essas localidades.

Orelhões
Com isso, menos orelhões serão mantidos nas ruas brasileiras. Mas a Anatel e a Oi garantem que os telefones públicos continuarão funcionando em locais essenciais como escolas, hospitais, terminais rodoviários e postos policiais. “O que acabou foram as metas de distâncias urbanas. Por isso, nas cidades, o número de orelhões deve cair 75%. Mas ainda há a obrigação do telefone público em localidades com mais de 100 habitantes que têm os orelhõescomo única forma de comunicação e também em locais específicos”, garantiu Jacomassi.

“O novo PGMU veio adequar as regras vigentes no Brasil à tendência mundial, garantindo a permanência de orelhões em locais onde há demanda como shoppings, escolas, postos de saúde, hospitais, etc, bem como em localidades hoje só atendidas com o telefone de uso público”, confirmou a Oi.

A Anatel ainda destacou que a mudança nas metas de universalização foi discutida com a sociedade, através de consultas e audiências públicas.



FONTE: FOLHA PE