No Recife, militantes comemoram vitória de Bolsonaro simulando caixão de Lula


No comitê de Jair Bolsonaro (PSL) no bairro da Madalena, Zona Oeste do Recife, o clima era de muita festa. Bandeiras do Brasil, roupas nas cores verde e amarelo, muita música e fogos. O clima se repete em Boa Viagem, na Zona Sul, onde houve intensa queima de fogos e buzinaço de carros. O candidato foi eleito presidente da República na noite deste domingo (28), derrotando o petista Fernando Haddad.

Em Boa Viagem, na Zona Sul da capital, a festa para Bolsonaro reúne milhares de pessoas, com dois trios elétricos e cerca de 2 mil pessoas. Depois da execução do hino nacional, eleitores vibraram com a trilha da vitória, de Ayrton Sena, enquanto um telão reproduz conteúdos da campanha. Há pessoas chorando de emoção pelo resultado.






Houve comoção quando chegou um caixão vermelho com a estrela do PT e o rosto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso desde 7 de abril na sede da Polícia Federal em Curitiba (PR), no vidro. Militantes seguram o caixão com velas pretas acesas na mão e colocam o caixão em cima do trio elétrico.

Estão no palanque os coronéis Meira e Khoury, que conduziram a campanha em Pernambuco. O coronel Khoury fez com que a multidão prestasse continência a Bolsonaro. “Exército de Bolsonaro: sentido!” Todos bateram continência e, em seguida, entoaram o grito de guerra: "mito, mito, mito".

Na Madalena, a festa era animada, mas um pouco menor. Militantes gritavam que vieram de graça e que a bandeira nunca será vermelha. Perguntam, ao microfone: "Cadê Lula?" Respondem: "Está na cadeia". Lupércio Bezerra, que foi candidato a deputado estadual, e coordena o comitê na Madalena, falou para a plateia.

Ele repassou um recado do deputado federal eleito pelo PSL Luciano Bivar - que não foi à festa por questões de saúde - e afirmou que "quando não havia mais partido para Bolsonaro, o PSL abriu as portas". "O PSL é um partido que nasceu em Pernambuco", disse o ex-candidato, acrescentando que Bivar agradeceu ao povo pernambucano.




FONTE: FOLHA PE