Ceramistas de Goiana: Movimento e Expressão de uma arte figurativa

Lançamento do catálogo e exposição intitulada “Homens do barro de Goiana”, reúne artistas da arte da cerâmica figurativa no Sesc Ler

O catálogo Homens do Barro de Goiana, traz um recorte dos artistas ceramistas, do município de Goiana, apresentando a história e obras de nove autores da cerâmica figurativa, que juntos representam quatro gerações dessa arte.

Artistas como Zé do Carmo, criador do Anjo Cangaceiro, Vovô Natalino e outras criações, além da sua carreira como artista plástico, compõem o catálogo, além de Gercino Santo, que assina a curadoria, e ainda Lázaro, Luiz Gonzaga, Luiz Carlos, Adilson Vitorino, Fernando Nascimento, Edvaldo Manoel e Tog, três vezes vencedor pelo voto popular do Salão Ana Holanda na Fenearte.
A publicação vem em formato 22×24 cm, com 102 páginas, capa dura, realizada por equipe também de Goiana, composta por Alexandre Veloso, coordenador geral, organizador e arte/diagramação; Felipe Andrade, redação, Charles Marinho, fotografia e o ceramista Gercino Santo na curadoria.

A pesquisa foi realizada de forma coletiva, iniciado em maio de 2017. A publicação é de Afonso Oliveira Produções Culturais, parceria do Sesc Ler Goiana e incentivo do Funcultura, Governo do Estado de Pernambuco. A cerâmica figurativa de Goiana tem suas especificidades, que difere dos outros polos ceramistas do estado. No catálogo essas nuances são apresentadas ao público pelos os artistas que vão aos poucos descrevendo em suas “falas”, as técnicas e o processo criativo de cada um.

O tema também é apresentado como – movimentos e expressões – duas fortes características da cerâmica goianense, além do acabamento, que segundo o ceramista Tog, pode ser: crespo liso e/ou crespo mulambo. Tal técnica, totalmente diferente do acabamento “liso”, (comumente usado), nos remete ao impressionismo de Monet e ao expressionismo, com primazia a expressão do sentimento, bem mais além do que somente a descrição da realidade. Lázaro outro homem do barro, diz: “As peças de Goiana parecem vivas. Elas não tem voz, mas falam”. Acrescentaria ao falar, outros verbos, elas andam, vendem, anunciam, reivindicam, e porque não, vivem.

As peças de Goiana são fotografias em quatro dimensões. É o momento congelado, mas nunca estático. Sempre em movimento. Edvaldo Manoel, define bem isso quando diz “se eu não ver a peça se mexendo, eu desmancho e começo de novo”. Essa busca de fazer mais está presente em todos.

O movimento das obras, como também as “expressões” são imprescindíveis, é um traço de Goiana. Gercino Santo relata, “aqui colocamos um pouco de nós no barro”, isso nos revela o quão é intuitiva e humana a produção goianense. Esse conjunto de peculiaridades, somando-se a criatividade e estilo de cada um forma um universo imagético, rico, com obras de arte de grande valor artístico.

A exposição: Homens do Barro de Goiana: ceramistas – movimentos – expressões da cerâmica figurativa do barro dos canaviais. A exposição Homens do Barro de Goiana reunirá peças da cerâmica figurativa de nove artistas goianenses, apresentando uma amostra com mais de cinquenta obras, dos artistas, Zé do Carmo, Gercino Santo, Luiz Gonzaga, Lázaro, Tog, Luis Carlos, Adilson Vitorino, Fernando Nascimento e Edvaldo Manoel, mais sessenta fotografias de Charles Marinho nas temáticas, ceramistas – movimentos e expressões e vídeo da pesquisa. Com textos de Felipe Andrade e projeto expográfico e curadoria de Alexandre Veloso.

A realização é da Avelozzo Produção Cultural. A exposição é um desdobramento do projeto do catálogo, incentivado pelo Funcultura. As obras selecionadas mostram o estilo de cada artista e sua corrente criativa, através dos personagens retratados em cerâmica.

O recorte dos artistas traz ao público quatro gerações de ceramistas, remontando mais de sessenta anos de história dessa arte e suas peculiaridades, como também apresenta ao público as especificidades da produção artística local, como os movimentos e expressões das obras, o que as diferem da produção dos outros polos de Pernambuco.

Com os eixos – ceramistas – movimentos – expressões – a exposição revela detalhes e peculiaridades da produção da cerâmica e artistas goianenses, despertando a qualidade artística das obras e o universo imagético contido nas criações.

As peças de Goiana parecem vivas. Elas não tem voz, mas falam – diz Lázaro, ceramista das “antigas” e utiliza de técnicas teatrais no seu processo criativo.