Denúncia de estupro: polícia solicita prontuários e imagens de câmeras de UPA

Delegada responsável pelo caso, Ana Elisa Sobreira, da Delegacia de Santo Amaro, já está coletando materiais

A Polícia Civil de Pernmbuco solicitou os prontuários e as imagens de câmeras de segurança da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Imbiribeira, na Zona Sul do Recife, para auxiliar nas investigações da denúncia de um médico que teria estuprado uma jovem de 18 anos na manhã da última quarta-feira (21). Em nota divulgada no início da noite desta quinta-feira (22), a polícia também informou que está sendo investigado outro possível estupro pelo médico, mas que os dois casos se encontram sob sigilo.

A delegada Gleide Ângelo, do Departamento de Polícia da Mulher, explicou que o inquérito foi instaurado nesta quinta-feira (22) e que as investigações começaram. “Em um crime de estupro, a palavra da vítima tem um valor probatório muito forte, mas é preciso outras provas e é isso que está sendo feito”, disse a delegada.

Gleide afirmou que, quando a vítima chegou à delegacia, estava muito nervosa e não conseguiu identificar detalhes do suposto agressor. “Vamos fechar o inquérito, tipificar os crimes provados e encaminhar ao Ministério Público, que vai fazer a denuncia para a Justiça vai julgar de acordo com a lei”, explicou. “O inquérito tem um prazo legal de até 30 dias para ser concluído e tudo indica que vai ser cumprido dentro do prazo”, disse.

A delegada responsável pelo caso, Ana Elisa Sobreira, da Delegacia de Santo Amaro, no Recife, já está coletando as provas. “Precisamos do resultado das perícias, ouvir testemunhas e o suspeito. Precisamos de tempo para isso”. Ana Elisa ouvirá a vítima ainda nesta quinta.

Entenda o caso
Um atendimento médico na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Imbiribeira, na Zona Sul do Recife, terminou com uma denúncia de estupro. Após cair de uma escada dentro de casa, uma jovem de 18 anos procurou atendimento médico no local, na última quarta-feira (21), e afirmou ter sido estuprada por um profissional de saúde. A jovem identificou que o homem que cometeu o crime era um médico traumatologista. O caso foi registrado na 1ª Delegacia de Polícia de Prevenção e Repressão aos Crimes Contra a Mulher. O crime, segundo a vítima, ocorreu dentro da sala em que ela foi atendida na UPA da Imbiribeira.




FONTE:FOLHA DE PERNAMBUCO