Com forte participação social, Mata Norte elege seus delegados

Rodrigo Ramos/Secult-PE
Rodrigo Ramos/Secult-PE

Do total de inscritos para a Pré-Conferência da região (169), 116 pessoas se credenciaram para participar do encontro
Marcus Iglesias
Um dos celeiros culturais mais ricos de Pernambuco, a Mata Norte realizou nesta quinta-feira (7) sua Pré-Conferência Estadual de Cultura, que tem como objetivo central e único a criação de um Plano Estadual de Cultura para o estado. O encontro foi realizado na Escola Técnica Senador Wilson Campos, em Paudalho, e contou com a participação de representantes de associações de bacarmateiros, maracatus, artesãs, escolas de samba, poetas, alunos do SERTA, repentistas, artistas e fazedores de cultura da região. Do total de inscritos (169), 116 pessoas se credenciaram para participar do encontro.
Antes das falas de abertura, os participantes foram recepcionados pelo Grupo de dança raízes, de Paudalho, pelo Trio de forró sanfoneiro, de Carpina, e pelo Mestre Inácio, do Maracatu Águia Dourada, também de Carpina.
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Antes da abertura oficial, os inscritos fizeram seus credenciamentos e escolheram os Grupos de Trabalhos que iriam participar
A mesa de abertura foi formada pelo secretário de Cultura de Pernambuco, Marcelino Granja; pelo prefeito de Paudalho, Marcelo Gouveia; representantes dos municípios de Carpina, Condado, Tracunhaém, Vicência, Lagoa do Carro, Aliança, Goiana e Glória do Goitá; por Jocimar Gonçalves, conselheiro do Conselho Estadual de Política Cultural de Pernambuco e integrante da comissão organizadora da Conferência Estadual de Cultura; por Lucas Alves, também do CEPC; e por Agricélia Genuíno, integrante da equipe da Secult-PE e responsável pela articulação na Mata Norte.
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Rodrigo Ramos/Secult-PE
“Estamos aqui para construir o plano decenal da nossa região, sabendo que a Mata Norte é um celeiro rico em cultura viva”, disse Éder Slovick em sua fala
Para Éder Slovick, que falou em nome da cultura de Carpina, a sociedade se reuniu naquele momento para mudar juntos a história da cultura da Mata Norte. “Fazer cultura é cada dia mais difícil, mas a responsabilidade ela pesa sobre nós, porque se a gente não se mobilizar vamos ficar de fora dos planos do governo. Estamos aqui para construir o plano decenal da nossa região, sabendo que a Mata Norte é um celeiro rico em cultura viva”, declarou.
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Rodrigo Ramos/Secult-PE
“A importância de criarmos nosso Plano Estadual de Cultura é para termos um planejamento estratégico para os próximos dez anos neste âmbito. Para que a nossa política cultural não seja apenas uma decisão de um governo, e sim uma política do estado de Pernambuco”, disse Marcelino Granja
O secretário de Cultura de Pernambuco, Marcelino Granja, primeiramente agradeceu aos presentes pela confiança que demonstraram com as inscrições e participações nesta plenária. “Cultura não é um serviço público prestado pelo estado diretamente ao cidadão. Ela é inerente à condição humana. Todos nós, ao nos expressarmos, estamos fazendo cultura. E nela tem o elemento vivo, que é a arte. E a união do povo brasileiro surge dessa mistura entre todos nós. Sem um ambiente de relacionamento nobre entre as pessoas, não é possível a sociedade se desenvolver. A arte brasileira é um espaço onde mais se afirma a nossa cultura em sua origem diversa”, disse o secretário.
“Por isso a importância de criarmos nosso Plano Estadual de Cultura, um planejamento estratégico para os próximos dez anos neste âmbito. Para que a nossa política cultural não seja apenas uma decisão de um governo, e sim uma política do estado de Pernambuco. Nós apresentamos uma Primeira Minuta do Plano Estadual de Cultura, uma proposta inicial para discussão, e não vai ser estranho a vocês quando se depararem com os objetivos estratégicos porque este documento é fruto dos doze anos de discussões que a sociedade civil realizou nas outras conferências de cultura e em diversos fóruns e comissões sobre o assunto”, explicou Marcelino Granja.
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Após a abertura, os credenciados participaram dos seus respectivos Grupos de Trabalho, contribuindo com alterações na Primeira Minuta do Plano Estadual de Cultura de Pernambuco
A IV Conferência Estadual de Cultura está dividida em 27 plenárias, 14 regionais e 13 de linguagem. A Plenária Final, marcada para os dias 16, 17 e 18 de março, no Centro de Convenções, em Olinda, será direcionada por uma segunda Minuta, feita com as propostas colocadas nas Pré-Conferências. “Estamos aprovando um plano que parte dele vai virar lei, parte decreto do governador para aplicação imediata. Estamos propondo por exemplo que a Conferência Estadual de Cultura aconteça a cada quatro anos, e que os recursos da Cultura sejam aumentados em dez anos”, concluiu o secretário.
Em seguida, os participantes foram orientados sobre o regimento interno da IV Conferência Estadual de Cultura e divididos nos Grupos de Trabalho para iniciar as discussões sobre o Plano. O GT1 discutiu os eixos 1 – patrimônio cultural e memória e territórios, territorialidades e 8- políticas afirmativas; O GT2 tratou dos pontos sobre os eixo 3 – desenvolvimento simbólico da cultura e eixo 4 – economia da cultura; Já o GT3 debateu os eixo 5 – pesquisa e formação artística cultural e eixo 6 – cultura e educação; Enquanto que o GT4 imergiu no eixo 7 – cultura e comunicação e eixo 2 – gestão, infraestrutura e participação social.
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Na ocasião os fazedores de cultura puderam conhecer melhor o projeto Mapa Cultural de Pernambuco
Quem passou pela Pré-Conferência pôde conhecer de perto o Mapa Cultural de Pernambuco, uma iniciativa da Secult-PE e Fundarpe, desenvolvida a partir de uma plataforma livre, gratuita e colaborativa, de mapeamento do cenário cultural pernambucano, permitindo o acesso às informações sobre eventos, programas, espaços e agentes culturais.
Após os debates e discussões, com direito a alterações na minuta, doze delegados e cinco suplentes foram eleitos para representar a Sociedade Civil. No caso do Poder Público, quatro delegados e dois suplentes foram escolhidos para participar da Plenária Final.
Durante o encontro também foi feita a leitura da carta de repúdio ao projeto Nº 1774/2017, de autoria do deputado estadual Ricardo Costa, que dispõe sobre a “proibição de exposições artísticas ou culturais com teor pornográfico em espaços públicos, no âmbito do Estado de Pernambuco”. Assinada por unanimidade em todas as Pré-Conferências que já passou, o documento também foi aprovado pela Mata Norte.
Delegados eleitos na Pré-Conferência da Mata Norte
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Rodrigo Ramos/Secult-PE
12 delegados e cinco suplentes foram eleitos para representar a Sociedade Civil
Sociedade Civil

Sérgio Ricardo Clementino da Costa (Goiana)

Willermberg Junior Francelino (Goiana)

Maria Eduarda Freyre Magalhães da Costa Lima (Glória do Goitá)

Paulo Henrique Phaelante (Paudalho)

Elex Miguel Adão (Nazaré da Mata)

Bruno Henrique Lima de Araújo (Timbaúba)

Maria José Barbosa de Souza (Lagoa do Carro)

Jandson Roberto de Souza (Carpina)

Luciano Antonio dos Santos (Aliança)

Deniere Ribeiro Martins (Paudalho)

Joseane do Nascimento Rocha (Carpina)

Alexandre Riberio de Lima (Goiana)
Suplentes

Ana Cristina do Nascimento (Carpina)

Paulo Ferreira da Silva (Condado)

Ana Maria da Silva (Vicência)

Eder Gomes da Costa (Timbaúba)

Clécio da Silva Tavares (Timbaúba)
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Rodrigo Ramos/Secult-PE
Já o Poder Público contará com quatro delegados e dois suplentes na Plenárias Final
Poder público
Joana D’Arc Ribeiro de Souza Arruda Andrade (Vicência)

Risolance Rodrigues da Silva (Lagoa do Carro)

Ana Veronica de Oliveira e Silva (Lagoa do Carro)

Ricardo Jorge Pereira (Lagoa do Carro)
Suplentes

Leonildo de Souza Silva (Glória do Goitá)

Angela Maria dos Santos Novaes Cabu (Paudalho)