Ex-gerente da Petrobras é condenado a 15 anos de prisão

Roberto Gonçalves foi condenado a 15 anos e dois meses de prisão por receber propina nas obras do Comperj.

Em nova sentença da Operação Lava Jato, o ex-gerente da Petrobras Roberto Gonçalves foi condenado nesta segunda-feira (25) a 15 anos e dois meses de prisão por receber propina nas obras do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro).

Gonçalves foi o sucessor de Pedro Barusco na gerência de Serviços da estatal, entre 2011 e 2012. Preso preventivamente há seis meses, ele é acusado na ação de receber US$ 3 milhões (cerca de R$ 9 milhões no câmbio atual) em vantagens indevidas em contas na Suíça.

O dinheiro foi repassado pelas empreiteiras UTC e Odebrecht. Elas obtiveram um contrato sem licitação nas obras do Comperj -segundo o Ministério Público, por interferência de Gonçalves e outros diretores da Petrobras.

Um dos executivos da Odebrecht, Rogério Araújo, chegou a emprestar uma conta no exterior ao então gerente, para que ele recebesse a propina no início do contrato. Gonçalves, na época, era novato no esquema -ao contrário de outros executivos da Petrobras, que já estavam "em velocidade de cruzeiro", segundo Araújo.

Gonçalves admitiu o recebimento de propina durante depoimento ao juiz Sergio Moro. Disse, porém, que não praticou nenhum ato de ofício ilegal, e que a contratação direta das empreiteiras era necessária para evitar atrasos e prejuízos à Petrobras e foi feita dentro da lei.

Para o juiz Sergio Moro, ele promoveu uma "intervenção decisiva" para que houvesse a dispensa de licitação no contrato, conforme depoimentos dos empreiteiros e a apuração interna da própria Petrobras, que concluiu pela responsabilidade de Gonçalves.

"A motivação para o ato não foi exclusivamente técnica e não atendeu, necessariamente, o melhor interesse da Petrobras", escreveu o magistrado, para quem há "prova acima de qualquer dúvida razoável" sobre os crimes.
Gonçalves foi condenado pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Além do ex-gerente, também foram condenados os executivos da Odebrecht Rogério Araújo e Márcio Faria da Silva, o ex-diretor da UTC Walmir Pinheiro Santana e o operador Olívio Rodrigues Júnior.

Ainda cabe recurso da sentença.

Outro lado

A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Gonçalves nesta segunda-feira (25).

O ex-gerente chegou a admitir o recebimento de propina durante depoimento ao juiz Sergio Moro, mas disse que não praticou nenhum ato de ofício ilegal.

A contratação direta das empreiteiras Odebrecht e UTC, sem licitação, era "a única alternativa viável" para o Comperj na época, segundo sua defesa, já que o elevado preço do barril de petróleo demandava uma solução rápida para a obra.

"Era o que melhor satisfazia os interesses da Petrobras naquele momento", argumentaram os advogados de Gonçalves, em documento de alegações finais ao juízo. A dispensa de licitação, segundo a defesa, foi feito dentro dos parâmetros legais.

O ex-gerente declarou em interrogatório que o recebimento de propina na Petrobras "era a regra do jogo" e integrava um "sistema implantado que ele não conhecia".

Fonte: Folha PE