Vereadores de Goiana participaram de audiência pública sobre Hemobrás

O possível esvaziamento da fábrica da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás), instalada em Goiana, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, devido a uma proposta defendida pelo Ministério da Saúde (MS) de construir uma nova unidade de hemoderivados em Maringá (PR), foi alvo de discussão de uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), na manhã de segunda-feira (7/8). 

A Câmara Municipal de Goiana esteve representada na referida audiência por uma comissão de vereadores capitaneada pelo presidente do Poder Legislativo Municipal, Carlos Viégas Júnior, que de maneira muito clara fez valer a voz da população goianense que não aceita perder um investimento gerador de impostos, emprego e renda para toda a região. 

"Estão querendo esvaziar a Hemobrás, transformando-a em um verdadeiro elefante branco. É importante a luta de todos, independente de cor partidária, para impedir esse absurdo, uma vez que já foi investido aproximadamente R$ 1 bilhão de reais de dinheiro público. E, esse dinheiro não pode escorrer pelo ralo. Esse dinheiro é do povo e foi pago através dos nossos impostos", disse o presidente da Câmara de Vereadores de Goiana.

Autora do requerimento para realização da audiência pública, a deputada Priscila Krause (DEM) lembrou todo o processo de instalação da Hemobrás em Pernambuco, que se destacava, já na década de 90, por produzir hemoderivados em escala industrial por intermédio do Hemope. “A decisão de a empresa vir para o Estado foi baseada em elementos técnicos e na decisão política de descentralizar o desenvolvimento tecnológico e científico no Brasil, o qual não deve ser monopolizado pelo eixo Sul/Sudeste”, avaliou. “O que defendo é a viabilidade de uma empresa pública, e não de uma companhia A ou B. E para se viabilizar, a Hemobrás precisa estar com as duas atividades concentradas aqui”, defendeu.

A opinião foi compartilhada pelos senadores pernambucanos Armando Monteiro (PTB) e Humberto Costa (PT), que pontuaram, ainda, o interesse político do ministro da Saúde, Ricardo Bastos, de transferir a produção de recombinantes para o Paraná, reduto eleitoral do político. “Se a Hemobrás não agregar a produção do fator recombinante à sua atuação, a expressão econômica da empresa será dramaticamente reduzida”, pontuou o petebista. “Como coproprietário da estatal, o Governo do Estado deve ter uma postura mais ativa sobre essa questão do que a que vem tendo atualmente. Não podemos assistir à saída desse investimento de Pernambuco”, afirmou Costa.

Para os deputados federais Augusto Coutinho (SD/PE) e Sílvio Costa (PT do B/PE), os quatro ministros pernambucanos que compõem hoje o governo do presidente Michel Temer também devem participar mais ativamente na defesa do Estado. “O objetivo de trazer este debate para a Comissão de Saúde da Assembleia é traçar planos e ações efetivas que ajudem a resolver a atual situação da Hemobrás”, resumiu a presidente do colegiado, deputada Roberta Arraes (PSB).

A audiência desta segunda contou, ainda, com a participação de outros deputados estaduais e do prefeito em exercício do município de Goiana, Eduardo Honório e do ex-prefeito Beto Gadelha.

Fonte: Blog do Felipe Andrade