Quadrilhas falam de tradição e amor no 3º dia do Festival da Globo NE

Amor, fé e tradição estiveram entre os temas das apresentações das oito quadrilhas juninas que se apresentaram no sábado (4), quarto dia da fase seletiva do Festival de Quadrilhas Juninas da Globo Nordeste. A arena montada no Sesc de Goiana, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, é o palco da disputa dos grupos por uma vaga da grande final do concurso.

A Quadrilha Junina Zé Matuto, de São Lourenço da Mata, abriu a noite com a tradição da cana de açúcar e a cultura da Mata Norte pernambucana, como o maracatu rural, explorando o tema ‘O Canavial do Engenho’. Do bairro de Vila Rica, em Jaboatão dos Guararapes, a Quadrilha Junina Chiclete com Banana trouxe o tema ‘Não mexa no que é meu!’ para falar sobre a exclusão dos moradores de rua.

A fé do sertanejo e a tradição do período junino foram escolhidos pela Unidos da Roça, de Catende, na Mata Sul do estado. A quadrilha junina dançou o tema ‘Sertão, fé e tradição’. Dançando em casa, a Quadrilha Junina Matutinho, do bairro de Nova Goiana, apresentou o tema ‘Guerreiros do sol, amar ou morrer?’, contando a história de um amor proibido entre uma cangaceira e o chefe da volante.

De Limoeiro, no Agreste do estado, a Quadrilha Junina Mandacaru se inspirou nas tradições populares no tema ‘O ladrão de flores de chuva e a fulô do Sertão’. Já a Quadrilha Junina Magia Matuta, de Ibimirim, escolheu o tema ‘Na dor de um não, um sim para amar’ para falar sobre o renascimento do amor.

Também de Goiana, a Quadrilha Junina Cambalacho abordou o cotidiano nordestino e o caminhão ‘pau de arara’, com o tema ‘Quem não tem cão, caça com gato’. Fechando a noite, a Quadrilha Junina Renascer, de Araçoiaba, falou de amor e tradição sob o tema ‘A saga de um vaqueiro’.

do G1