segunda-feira, 2 de maio de 2016

O Nordeste é Coral: Santa Cruz empata com o Campinense e fatura título inédito

Nada sem sofrimento pertence ao Santa Cruz. Com gol salvador de Arthur aos 33 do segundo tempo, o Santa Cruz arrancou um empate em 1×1, neste domingo (1), com o Campinense, no estádio Amigão (PB), e faturou a Copa do Nordeste. Com Tiago Cardoso levantando o sexto título da equipe em seis anos, os tricolores se tornam, quase 60 anos após Capiba escrever os versos no hino do clube, o verdadeiro Terror do Nordeste.

Os gols das equipes foram marcados por Rodrigão, aos 26 minutos do segundo tempo, e Arthur, aos 33 minutos da etapa final.

Ressabiado pela atuação do Campinense na partida de ida, o Santa Cruz começou a partida não querendo tomar sustos. Com uma marcação alta, a equipe controlou o Campinense nos 45 minutos iniciais, e ainda perdeu uma grande chance com Grafite.

Dentro da pequena área, aos 26 minutos, o experiente atacante recebeu passe açucarado de Arthur, mas viu a bola quicar antes de chegar ao seu pé e isolou a melhor chance do primeiro tempo. Além dessa oportunidade, o Santa ainda teve uma falta de Tiago Costa, aos dois, que saiu à esquerda de Glédson.

Equilibrado na marcação, o Campinense apostou em arrancadas nas costas dos laterais tricolores Vítor e Tiago Costa. Por duas vezes, o goleiro Tiago Cardoso teve que sair da área para evitar que os jogadores paraibanos ficassem de frente pro gol do Santa Cruz.




Subindo ainda mais para o ataque no segundo tempo, o Santa teve duas boas chances antes dos cinco minutos. Aos dois, Tiago Costa lançou Arthur, que soltou uma bomba. A bola bateu na rede pelo lado de fora. Um minuto depois, Keno invadiu a área e chutou para boa defesa de Glédson.




Tentando furar a defesa do Santa, o técnico Francisco Diá fez duas alterações até o intervalo, colocando o meia Filipe Ramon e os atacantes Adalgiso Pitbull. As mexidas mudaram o panorama do time paraibano, que chegou ao gol de empate.




Excelente na finalização, o artilheiro do Nordestão só precisou de uma chance. Aos 26, após belo passe de Adalgiso Pitbull, Rodrigão chutou colocado para fazer o seu nono gol no torneio regional. A bola passou à esquerda de Tiago Cardoso, que não tinha como chegar. A torcida paraibana explodiu no Amigão.




Caindo na final, o técnico Milton Mendes colocou o time todo pra frente, com as entradas de João Paulo e Bruno Moraes e as saídas de Leandrinho e Vítor. E a pressão deu resultado.




O relógio marcava 33 minutos. Após bela jogada de Keno, Arthur teve duas chances. Na primeira, chutou em cima da marcação. Depois, na sobra, soltou uma bomba, que estufou as redes dos paraibanos. O gol mais importante do Santa Cruz nas últimas décadas.




Restando 15 minutos para o fim, foi a hora do coração entrar em campo. Rodrigão, que já tinha um gol na partida, tentou de tudo para fazer o segundo e levar a decisão para os pênaltis. Mas a marcação do Santa Cruz ficou muito ajustada nos minutos finais.




Ainda deu tempo para Grafite perder mais uma chance. Aos 40, após cruzamento de João Paulo, o experiente atacante cabeceou por cima. Mas a torcida tricolor não estava nem aí.






Lá nas arquibancadas, os gritos de felicidade não cabiam em um peito. Na verdade, eram quase seis mil corações batendo mais forte. Com o último apito de Jaílson Macedo de Freitas, uma certeza: o Terror do Nordeste está de volta!