Casas de veraneio em Goiana viram preocupação por conta do Aedes aegypti

É abrir o portão para dar de cara com o descaso dos vizinhos. Por causa do amontoado de lixo, Sandra vive com medo do mosquito da dengue encontrar água parada. “Não adianta você limpar o seu quintal e esse lixo aqui na frente, não tem jeito”, reclama a moradora. 


No bairro do sítio em Ponta de Pedras, a dengue não é é um sério risco para a população, é só andar um pouco, para entender por quê. Terrenos abandonados e acúmulo de água por toda a parte. 

Criadouros perfeitos para o mosquito. “O pessoal se acha no direito de jogar lixo, de jogar frasco e acaba acarretando nessa situação que a gente se encontra”, disse o Presidente da a Srª Antonieta Candida. 

Em todo o ano passado, São Sebastião teve 82 casos de dengue, 7 de febre chikungunya, 1 de Zica Virus e 23 casos de Microcefalia estão sendo investigados.

A dona de casa Vânia de Oliveira teve que ficar doente junto com o filho menor para perceber a importância de eliminar a água parada. “Todo dia estar olhando. Se estiver chovendo também olhar, vasilha de cachorro, tudo. Caixa d’água principalmente, lavando”.



Com informações G1