Campanha da Fraternidade 2015 debate relação Igreja e Sociedade


Com o tema Fraternidade - Igreja e Sociedade e o lema “Eu vim para Servir”, a Igreja Católica lança mais uma edição da Campanha da Fraternidade. A data marca o início do ciclo da Quaresma, cuja celebração da quarta-feira de cinzas convoca os fiéis a uma atitude de reflexão íntima. Cada paróquia realiza o lançamento hoje durante a missa da imposição das cinzas. 

Para o arcebispo dom Paulo Mendes Peixoto, trata-se de uma revisão da atuação da Igreja na sociedade. “Com este tema e uma fundamentação bíblica em Matheus 10.45 ‘Eu vim para servir’, a Igreja quer, com a campanha deste ano, fazer um levantamento histórico da sua caminhada em relação à sociedade. Em toda a história do mundo e do Brasil, vemos a presença muito forte da Igreja, na questão da fé e a presença da cruz durante a colonização dos portugueses. Se fizermos um levantamento sério, vamos descobrir que a Igreja sempre esteve ligada à caminhada da sociedade, com todas as suas fraquezas, pois a Igreja é humana”, destacou o arcebispo.

Conforme ressaltou dom Paulo Mendes, o objetivo geral da campanha deste ano é aprofundar, à luz do Evangelho, o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, como serviço ao povo brasileiro e para a edificação do Reino de Deus. “Ou seja, a Igreja quer contribuir para o bem da sociedade, com sua história e sua caminhada”, refletiu.
Ele lembra que a campanha tem ainda um caráter mais ecumênico. “É uma campanha aberta a todos, porque normalmente os temas são escolhidos dentro das urgências e necessidades do país e no momento em que ele está vivendo. E a mensagem do papa Francisco para a Campanha da Fraternidade no Brasil é de que a Igreja precisa estar em saída, ir ao encontro das pessoas. Digo até que ele traduziu a palavra de Jesus ‘Ide pelo mundo inteiro’ através da palavra ‘saída’, significando que a Igreja deve estar integrada à sociedade”, destacou.

Neste sentido, os objetivos específicos da campanha são fazer memória do caminho percorrido pela Igreja com a sociedade, identificar e compreender os principais desafios da situação atual; apresentar os valores espirituais do Reino de Deus e da doutrina social da Igreja, como elementos autenticamente humanizantes; identificar as questões desafiadoras na evangelização da sociedade e estabelecer parâmetros e indicadores para a ação pastoral. 

A campanha visa aprofundar a compreensão da dignidade da pessoa, da integridade da criação, da cultura da paz, do espírito e do diálogo inter-religioso e intercultural, para superar as relações desumanas e violentas; bem como buscar novos métodos, atitudes e linguagens na missão da Igreja de Cristo de levar a Boa Nova a cada pessoa, família e sociedade; e atuar profeticamente à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para o desenvolvimento integral da pessoa e na construção de uma sociedade justa e solidária.

Fonte: JM