Dilma agrada aliados derrotados com ministérios

Em 1886, Machado de Assis escrevia o romance Quincas Borba, que tornou-se famoso -entre outros pontos – pela clássica frase “Aos vencedores, as batatas”. Em 2014, 128 anos depois do lançamento do livro, a presidente Dilma Rousseff reedita a mensagem ao conceder ministérios aos derrotados nas disputas eleitorais.

Até agora, dos 17 ministros indicados pela petista, quatro não tiveram sucesso nas urnas: Gilberto Kassab (PSD-SP), Helder Barbalho (PMDB-PA), Eduardo Braga (PMDB-AM) e Armando Monteiro (PTB-PE).
O ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD) ficou em terceiro lugar na disputa para o Senado, mas ganhou o Ministério das Cidades. O tucano José Serra levou a única vaga do Senado, com 57,31% dos votos. Atualmente, o PSD de Kassab tem 45 deputados federais, a quarta maior bancada da Câmara.

O filho do senador Jader Barbalho, Helder Barbalho (PMDB-BA), perdeu a disputa no Pará para Simão Jatene (PSDB). Com 35 anos, o futuro ministro da Pesca e Aquicultura só assumiu cargo público, quando ganhou a eleição para prefeito de Ananindeua, município do interior do Pará.

O novo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB-AM), disputou e perdeu a eleição para governador do Amazonas. Atual líder do governo no Senado, Eduardo Braga ganhou influência política por ter bom trânsito com a chamada ala rebelde do PMDB no Senado. Dilma cogitou tirar do partido a pasta, mas enfrentou resistência. O partido também cobiçava Integração Nacional e Cidades, mas não foi contemplado.

Em terras pernambucanas, o senador licenciado Armando Monteiro Neto (PTB) enfrentou e saiu derrotado na campanha eleitoral no Estado. O petebista perdeu para o socialista Paulo Câmara (PSB). Armando recebeu 31,07% dos votos, enquanto Paulo ganhou com 68,08%.

Pense em um prêmio de consolação…

Fonte: O Povo com a Noticia