Sport perde e se complica na Série A

O Vitória foi o grande carrasco do Sport neste ano. Nos quatro jogos em que os leões nordestinos se enfrentaram, três vitórias foram para os baianos (duas delas na Sul-Americana). Apenas uma ficou com o time pernambucano. O último triunfo da equipe de Ney Franco sobre a de Eduardo Baptista foi ontem, na Ilha do Retiro: 2x1. O resultado foi péssimo para o rubro-negro do Recife, que foi para a 11a posição, viu o G4 ficar muito distante - e o risco de rebaixamento, mais próximo (a seis pontos de distância).
O JOGO - Com menos de um minuto, Marcinho cobrou falta, Rithely subiu mais que todo mundo e mandou para as redes... erradas. O volante do Sport acabou marcando contra e abrindo o placar para o adversário: 1x0 Vitória. A verdade é que o primeiro tempo do Leão pernambucano foi muito ruim. Lento, pouco combativo e sem inspiração, o time pernambucano sofreu durante boa etapa inicial.
Muito por culpa do técnico Eduardo Baptista, que abusou das improvisações. Patric, lateral, jogou de ponta. E Diego Souza, meia, foi atacante de referência. O resultado se refletiu no placar e na dinâmica do jogo: depois de levar o primeiro gol, o Sport não conseguiu pressionar. O Vitória ameaçava mais. Tanto que ampliou. Aos 27, Dinei marcou de fora da área: 2x0.
A partir de então, o time baiano baixou um pouco a guarda. E o Sport se aproveitou. Aos 39, Ananias meteu na trave. No lance seguinte, aos 40, Diego Souza apareceu no segundo pau, recebeu de Patric e marcou seu primeiro gol com a camisa do Sport: 2x1.
No segundo tempo, Eduardo Baptista colocou Felipe Azevedo no lugar de Vitor. O Sport passou a ter mais presença ofensiva. Em parte pelos seus próprios méritos, em parte porque o Vitória recuou. Mas, apesar disso, o Leão não conseguiu criar chances - e teve de apelar para chutes longos ou bolas alçadas. As duas estratégias foram infrutíferas e não levaram perigo para o gol de Gatito Fernandez.
O poder de fogo rubro-negro diminuiu ainda mais com a substituição feita aos 13 minutos: Diego Souza saiu para a entrada de Neto Baiano. Aos 25, Eduardo Baptista mexeu mais uma vez e novamente levou a torcida à loucura: Zé Mário no lugar de Wendel. O time piorou o pouco que vinha mostrando, não criou mais e se mostrou incapaz de empatar o duelo.

Sport 1
Magrão; Vitor (Felipe Azevedo), Henrique Mattos, Durval e Renê; Rithely, Wendel (Zé Mário), Ibson, Patric e Ananias; Diego Souza (Neto Baiano). Técnico: Eduardo Baptista
Vitória/BA 2
Gatito Fernández; Nino, Roger Carvalho, Kadu e Juan (Mansur); Luiz Gustavo, Richarlyson e Marcinho; Vinícius (Luis Aguiar), Edno e Dinei (Marcos Júnior). Técnico: Ney Franco
Estádio: Ilha do Retiro, Recife (PE).Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS). Assistentes: Marcelo Bertanha Barison e José Antônio Chaves Franco Filho (ambos do RS).Gols: Rithely (contra, aos 40 segundos do 1T) e Dinei (aos 27 do 1T) para o Vitória; Diego Souza (aos 40 do 1T) para o Sport. Cartões amarelos: Dinei, Gatito Fernandez, Luiz Gustavo, Edno (Vitória) Wendel, Durval (Sport)