Ataques terroristas em Ottawa deixam pelo menos dois mortos

A polícia de Ottawa, no Canadá, onde um ataque terrorista deixou pelo menos duas pessoas mortas e outras duas feridas no fim da manhã desta quarta-feira, confirmou que há mais de um atirador envolvido nos tiroteios ocorridos em pelos menos três locais da cidade e está tratando o incidente como um evento em curso e pedindo à população que preste informações. De acordo com fontes do jornal Sun News, é possível que haja cinco atiradores ativos na área.

No início da tarde, o Civic Hospital, que recebeu três feridos em decorrência dos ataques, informou que o soldado que havia sido atingido no Memorial da Guerra, localizado nas proximidades do Parlamento canadense, onde também foi registrado um tiroteio, informou que o oficial morreu em consequência dos ferimentos.

Ao menos cinquenta disparos foram efetuados dentro do Parlamento canadense, para onde se deslocou um grande efetivo policial. De acordo com as primeiras informações, uma pessoa foi morta na entrada da biblioteca do prédio - possivelmente um atirador, de acordo com o ministro dos assuntos de guerra, Julian Fantino. De acordo com testemunhas, duas pessoas foram vistas saindo correndo de automóvel estacionado em frente ao prédio e muitos tiros foram ouvidos em seguida.

Além do parlamento, há relatos de tiros no Memorial da Guerra, localizado nas proximidades do Parlamento, em um hotel próximo, e em um shopping center. Prédios públicos e escolas da cidade foram evacuados e fechados.

Agentes da polícia fortemente armados cercam o prédio e o gabinete do primeiro-ministro Stephen Harper, que deixou o local depois do tiroteio, aparentemente a salvo. Deputados e funcionários estão sendo mantidos trancados dentro do órgão, já que novos tiroteios estariam ocorrendo na área e que há atiradores dentro do prédio. Sinais de celulares estão sendo bloqueados na área.

Uma das testemunhas, Marc-Andre Viau, também viu um homem ser perseguido por policial. Depois, seguiram-se "10, 15, talvez 20 disparos", provavelmente de uma arma automática.

O incidente acontece um dia depois que um motorista de 25 anos atropelou dois soldados e matou um deles, antes de ser morto pela polícia de Montreal, em um caso classificado pelo governo de ataque terrorista. Segundo as autoridades, o agressor tinha contatos com grupos extremistas.

O rapaz lançou seu carro contra os militares no estacionamento de um supermercado na cidade de Saint-Jean sur Richilieu, em Québec. Ele fugiu em seguida. Alguns quilômetros adiante, o agressor perdeu o controle do veículo e caiu em uma vala.

Em um comunicado, a polícia relatou que o suspeito foi alvo de investigação das "autoridades federais, incluindo nossa equipe de Investigações de Segurança Nacional Integrada em Montreal".