Dezoito hospitais filantrópicos do Estado devem paralisar atividades nesta quinta

Nesta quinta-feira (25), os hospitais filantrópicos pretendem fazer uma paralisação de 24 horas com o objetivo de chamar a atenção do Governo Federal para o repasse insuficiente de verba e para o endividamento que vem obrigando muitas instituições no País a suspenderem serviços ou fecharem as portas. Em Pernambuco, a rede é composta por 24 instituições, detentoras de três mil leitos. Dezoito unidades pretendem realizar atos para marcar a data.
Os funcionários se vestirão de preto e faixas da mesma cor serão afixadas às fachadas dos hospitais. Não haverá atendimento ambulatorial, e cirurgias eletivas (aquelas com data marcada) não serão realizadas. No entanto, os setores de emergência e maternidade – das instituições que dispõem desses serviços – seguirão funcionando, assim como a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).
Entre as instituições que terão atividades suspensas, estão o Hospital do Tricentenário (Olinda), a Santa Casa de Misericórdia (Santo Amaro, área central do Recife), o Hospital Maria Lucinda (Parnamirim, Zona Norte do Recife), o Hospital Evangélico (Jaboatão), o Memorial Guararapes (Jaboatão), o Memorial Jaboatão e o Hospital Armindo Moura (Moreno). Algumas unidades em Vitória de Santo Antão, na Mata Norte; em Palmares, na Mata Sul; em Garanhuns, Agrestina, Bezerros e Surubim, no Agreste; e em Araripina e Orobó, no Sertão, também vão aderir à mobilização.
A mobilização é parte do Dia Nacional de Luto pela Crise das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, que conta com a participação das mais de 2,1 mil instituições do País – responsáveis por cerca de 50% do total de atendimentos do Sistema Único de Saúde (SUS). O movimento busca informar a população sobre a má remuneração pelos serviços e a respeito da dívida das unidades, que já chega a R$ 15 bilhões.
"Já temos instituições fechando e não é à toa: é difícil manter um hospital com os incentivos que nos são destinados. Se o Estado e as prefeituras não fizessem repasses, a situação seria muito pior do que está", declarou Gil Brasileiro, presidente da Federação dos Hospitais Filantrópicos de Pernambuco (Fehospe).
Ainda conforme o dirigente, funcionários do Hospital do Câncer de Pernambuco (HCP) também se vestirão de preto, mas o atendimento será normal na unidade. Já o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip) e a Fundação Altino Ventura não vão participar da mobilização.